Aço – Silvia Avallone

ACO_1320234780B

O romance de estreia da escritora italiana Silvia Avallone é um livro que poderia facilmente substituir uma fotografia, tudo por que o ambiente e pessoas ali retratados representa a realidade do bairro Stalingrado, na cidade italiana de Piombino, e mesmo as cenas ou fatos que ocorrem ao longo das 344 páginas do livro Aço são desdobramentos e nuances da vidas dos personagens nele retratados.

Anna e Francesca, ambas de catorze anos, são as protagonistas do livro, as duas tem uma profunda amizade que foi criada graças aos vários pontos em comum na vida delas; morarem no mesmo bairro, terem famílias pertencente a classe operária, verem as mães sofrerem com os maridos um jogando o dinheiro das despesas em jogos e o outro agride a mulher e a filha e por ai vai.

As duas formam uma dupla cheia de beleza, a morena e a loira, que causa inveja nas outras meninas dos bairros, e   a amizade de ambas cria um poderoso contraste com o bairro que é pobre, sem atrativos e sem perspectivas de melhoria de vida para os seus moradores, tendo como fundo uma indústria de produção de aço.  Mas além de personagens as duas servem, dentro do livro, como um leque que se abre frente ao leitor para que este possa ver as variações mínimas de personagens que vivem no local, e mantém com menor ou maior intimidade com cada uma das duas.

É em meio a este ambiente que as das vivem o momento de descobrirem as suas sexualidades, crescimento e expectativa para o futuro, isso porém não quer dizer que elas sejam ingênuas, tanto uma quanto a outra sabem que a maior possibilidade em melhorar de vida está na sua beleza, Francesca alimenta o sonho de ser modelo, e Anna de fazer carreira na política.

Uma frase no meio do livro serve de gancho para a vida de quem, assim como Francesca e Anna vivem na via Stalingrado; “Embora o mundo inteiro fosse injusto, Lisa entendeu pela primeira vez que isso não podia servir de justificativa. ” (página 146) está frase me ajudou a entender o porquê de mesmo diante de várias dificuldades, e mesmo muitas vezes cometendo delitos ou atos não muito louváveis os personagens tem um profundo sentimento de solidariedade uns com os outros.

Apesar do livro não ser ruim após a leitura eu fiquei com uma grande reticencia em relação a ele, como eu disse no começo este livro poderia substitui uma foto, pois parece que a autora escreveu ele em todos os momentos tendo em vista dar ao leitor uma ideia de como é a vida ali, mas fora  este lado do livro não existe nele grandes reviravoltas ou surpresas, aos menos não para mim, a impressão que fico é de que  o romance foi estendido a medida que era necessário fazer o leitor compreender como é o local e avida ali, no momento em que tudo  foi mostrado o livro se esgota.

Este é o lado ruim do livro para mim, ele não é ótimo, mas também não é péssimo, ou seja leio ele e não sei o que pensar no fim, se amo ou odeio e esta é uma sensação ruim para mim, sinal de que não vivenciei a leitura não senti, isso quer dizer que desde que comecei a ler ele sabia que poderia parar e não ia perder nada, assim como soube que se fosse até o fim na ganharia tampouco, mesmo que seja um livro que gostei mais do que achei chato acredito ter faltado ali algo que fosse realmente atraente.

Em tempo: o livro foi vencedor do prêmio Campiello Opera Prima de 2010.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s