Serena – Ian McEwan

SERENA_1341875637B

Eu não acho que a metáfora mais apropriada para   quem escreve ou leia livros seja o fato de sermos espiões, justamente por um espião ser recrutado para obter informações e se necessário envolver-se em algum caso para ter papel determinante no seu fim.  Ao contrário disso o leitor é um observador passivo e sem influência na trama, cabendo a ele gostar ou não e buscar compreender um livro e a partir daí julgar aquilo que leu.

Estas comparações de que ler ficção é ser um tipo próximo ao espião surge da necessidade, por parte da editora, de criar uma ligação entre o leitor e o livro que se tem em mãos que trata justamente de espionagem e criação literária. Serena conta a história de Serena Frome, uma jovem de Cambridge, que acabou se formar em matemática, ela é uma leitora compulsiva, que acaba sendo recrutada para trabalhar no MI5 – o serviço secreto britânico- tendo como pano de fundo o começo dos anos de 1970, onde a Inglaterra se encontra em crise política e econômica e combatendo o terrorismo irlandês.

Serena que se vê envolvida no serviço secreto graças a seu amante, alguns anos mais velho que ela, acaba por ter misturada juntamente com seu trabalho alguns casos de amor, como é o caso da história mal resolvida entre ela e Max Greatorex, que a vigia de forma insistente, mesmo já tendo sido rechaçado por ela. Porém de todas a relações de amor que a personagem tem o mais emblemático será a sua ligação com Tom Haley.  Eles se conhecem quando Serena, que é conhecida por ser uma leitora ávida, será recrutada para a operação tentação que se baseia no MI5 financiar de forma secreta jovens autores, para que estes autores influencie a cultura com seus livros.  Só que ela acaba se envolvendo com Tom Haley de forma que ficam perdidamente apaixonados um pelo outro.

É neste jogo de vigiar quem que o autor brinca de forma magistral, Tom é vigiado por Serena, que por sua vez é vigiada por Max, que por sua vez é vigiado pelo MI5, que por sua vez é vigiado pelo leitor. Ao mesmo tempo em que a personagem deveria ser uma observadora que passa despercebida dentro da trama ela também é o núcleo que faz com que toda esta história deva ser observada de forma atenta. Enquanto Serena tenta influenciar a criação de Tom, ela é influenciada pela mão invisível do autor, e por ai vai a trama, mostrando que ninguém passa despercebido, e que muitas vezes o observador também é observado, criando um ciclo imenso.

Mas o que para mim determina que este livro é realmente bom, não é somente a capacidade do autor de criar este jogo narrativo impressionante, é justamente o contrário, o fato de que tudo isso está ao alcance que qualquer leitor de forma muito divertida e atrativa, tanto é que eu li uma média de 150 páginas na primeira sentada que dei com o livro em mãos. Ou seja o leitor tanto pode ter em mãos uma obra de arte, quanto um entretenimento de alto nível, sem que   uma opção anule a outra, é este o grande triunfo de Ian McEwan ao longo das 382 páginas que compõe Serena.

Anúncios

2 respostas em “Serena – Ian McEwan

  1. Excelente resenha. Gostei também da sua introdução mostrando como o leitor como parte passiva não pode ser um espião. Eu gostei muito desse livro também cheio de surpresas. Foi uma ótima leitura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s