A linha da beleza – Alan Hollinghurst

a_linha_da_beleza_1333284575b

Eu poderia dizer que A linha da beleza narra; a) uma história sobre os anos oitenta e a revolução sexual que eles geraram, b) o cotidiano de uma família de classe média alta cujo pai trabalha no parlamento do governo inglês, na era Thatcher, c) alguns anos da vida de um jovem, homossexual, promissor, que vive com a família de classe média de um amigo, e este jovem gay está em ascensão na sociedade. O mais coreto, talvez, seja eu ressaltar que as três possibilidades podem ser aceitadas como corretas, pois estes são os temas, e nuances envolvidos neste grandioso romance, vencedor do Man Booker Prize, de 2004. (Uma coisa que um chamativo cinto rosa, não me deixa esquecer)

Composto por três partes; o acorde do amor (1983), a quem pertence esta beleza? (1986) e o fim da linha (1987) Nick Guest, é um jovem de vinte anos, homossexual, recém-formado em Oxford, e que é aluno de doutorado em literatura. Nick está vivendo um tempo na casa de seu amigo Toby, este por sua vez além de estudar com Nick, é membro de uma família de classe média, cujo pai é um político importante dentro do parlamento inglês. De todos os membros da casa a que Nick mais passa a ter intimidade é a jovem Catherine, a irmã mais nova de Toby, uma moça que sofre com algum tipo de problema mental, não nomeado pelo autor, mas que parece ser a síndrome de Borderline, em alguns momentos refere-se a remédios que ela toma para se tratar. Ainda na mesma casa vivem os pais de Toby e Catherine, o casal Gerald Fellden e sua esposa Rachel.

Como um integrante, mesmo que temporário desta casa Nick passa a ter acesso a um grande leque de pessoas da alta sociedade, festas e eventos sociais, que se por um lado são cheios de cocaína e álcool, por outro é marcado por um constante verniz social, no qual muito tem segredos e facetas não tão bonitas para esconder ou manejar. E neste meio Nick, passa a desenvolver uma grande desenvoltura em suas relações sociais, além de ter sua vida amorosa e sexual em pleno desenvolvimento, algo que em uma cidade do interior, próximo dos seus pais, ele não teria grandes chances.  Mas se por um lado ele passa a dominar e conhecer a alta sociedade em todas as suas nuances, aos poucos ele vai aprendendo a conhecer aquilo que está sob o verniz social; esnobismo, pequenas intrigas, preconceitos mascarados, vícios, aprendendo assim não somente sobre o verniz que recobre as relações sociais, mas o quanto existe de hipócritas nelas.

Outro aspecto muito bem explorado são os namoros/casos amoroso de Nick. Na primeira parte vemos ele se envolvendo com Leo, em seu primeiro relacionamento sério com outro homem, já na segunda e terceira parte, Nick já demonstra um pouco mais de maturidade (mas não segurança) em seu relacionamento com Wani, um jovem contemporâneo à Nick e Toby, que vem de uma família muito rica, ele e sua família imigraram do Líbano para a Inglaterra em busca de uma vida com maior estabilidade.

 A linha da beleza é um romance tipicamente inglês com longos trechos descritivos, e um certo grau de análise psicológica, é em meio a Inglaterra a era Thatcher.  Nas páginas finais do livro, o leitor poderá contemplar a sombra da AIDS que vai aumentando gradativamente e fazendo suas vítimas, em especial os gays, que era considerado um dos grupos de risco da doença desde aquela época, mas não somente eles e sim, muitos da geração dos anos 80 que viveram de forma desenfreada o uso de drogas e uma liberdade sexual, e acabou se transformando em uma geração que  já foi vista como  uma das que mais aproveitaram sua liberdade, eu a vejo porém como uma das que mais faltou limites. Apesar disso A linha da beleza é um livro de escrita envolvente e viciante, que dá ao leitor não só uma ideia do que foi os anos 80 como é um brinde a capacidade do escritor Alan Hollinghurst de recriar uma das gerações mais fascinantes. Se A linha da beleza fosse para ser definida em uma imagem, eu a definiria como um melancólico entardecer que paira sobre o horizonte desta geração.    

Anúncios

2 respostas em “A linha da beleza – Alan Hollinghurst

  1. Excelente resenha, Gilberto. Gostei demais desse livro e é possível que ele ainda venha a ganhar um coração de favorito. Você tem razão de dizer que a escrita é envolvente. É. É sedutora. Outra coisa que acho importante, é que o livro em geral é visto como “literatura gay” apesar de ter como personagem principal um jovem gay, rotulá-la diminui a abrangência do livro. É gay, mas é muito mais que isso. É humano. Adorei esse livro. E você fez um bom resumo. Parabéns. Um grande livro.

    • Ladyce concordo e muito com seu ponto de vista sobre ele ser “literatura gay” é que decidi comentar sobre este aspecto aqui pois as primeiras vezes que vi este livro foi na estante de pessoas que leem livros com temas, ou personagens gays. Mas realmente como a bela obra de arte que ele consegue estar acima de categorias de gêneros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s